terça-feira, 4 de novembro de 2014

Guadalupeças: Especial O Senhor dos Anéis


A edição deste mês do Guadalupeças pegou uma carona adiantada no lançamento da última parte de O Hobbit no cinema. O especial não pode ser deixado para dezembro, porque vamos fechar o ano com a participação super especial dos mineiros da Conclave Editora. Então, acabamos por deixar de lado a temática de Halloween, que seria a mais lógica para data. Fica a ideia já aguardada para o ano que vem.

O grande destaque do dia foi o Guerra do Anel, montamos o setup e esperamos os corajosos aparecerem. Eu cheguei a achar que não ia rolar ou então que, no máximo, ia aparecer gente para jogar apenas alguns turnos só para conhecer o jogo. Estava enganada, tivemos gente com disposição de encarar o "monstrão" do início ao fim. 


O jogo rolou durante praticamente todo evento e sempre ia alternando a plateia. Infelizmente, as forças do bem venceram através da conquista de quatro pontos de território. As sombras confiaram muito na superioridade numérica e não fecharam o jogo quando deveriam, deixando o bem desenvolver sua estratégia silenciosamente.


Tivemos também O Senhor dos Anéis LCG, joguei a primeira missão para apresentar o jogo ao amigo Felipe Simões. Espero que ele tenha curtido, apesar de eu ter vacilado em um ponto ou outro da regra. Fazia algum tempo que não jogava, não tive tempo de reler as regras. Além do mais, eu joguei muito mais sozinha do que em dupla.


Jogamos com os decks básicos do Core sem nenhuma modificação, eu fiquei com Espírito e Felipe com Tática. Conseguimos uma boa vitória, eu investia na influência para avançar, enquanto meu companheiro de aventura focava mais em eliminar os inimigos. Preciso voltar a jogar com mais frequência, ainda nem experimentei as expansões. Ele funciona muito bem jogando solo, então não tenho desculpa, além da minha preguiça mesmo.

Também tínhamos disponível o Heroclix O Senhor dos Anéis e O Hobbit. Eu cheguei a montar mesa, mas não rolou. Apesar de ter abandonado o jogo, quero continuar e completar essas essas coleções especificas. Outro jogo dentro da temática que também teve o mesmo destino foi O Hobbit. Até chegamos a começar, mas acabou sendo deixado de lado. O pouco que joguei não me agradou, quando jogar completo escrevo sobre ele aqui.



Saindo da temática, o grande sucesso do dia foi o Bifrost. Várias pessoas chegavam já perguntando sobre o jogo e não saiu da mesa praticamente durante todo o evento. Gostei bastante de ter conhecido o Cussa, achei um cara super gente boa e deve estar com a gente mês que vem de novo, principalmente se tudo der certo e a gente conseguir fazer o campeonato de Midgard, que eu ainda não consegui comprar. Vou batalhar para pegar antes do evento e tentar escrever sobre ele, talvez até fazer algum vídeo.


Voltando ao Bifrost, ele é um party game bem simples, rápido e divertido. O vídeo da partida que fizemos com a explicação não chegou nem a 15 minutos. É um jogo que você não pode piscar que acabou, isso é sério. O objetivo é baixar as cartas de deuses, que vão variar de número de acordo com a quantidade de jogadores, da forma mais discreta possível. A ideia é que os demais não percebam e continuem jogando. Quando isso foi explicado, achei meio absurdo: "Como que alguém vai baixar as cartas e os outros não vão perceber?" Mas é incrível como funciona direitinho. Isso foi o que eu mais legal.

Outra coisa que eu gostei foi a mecânica de passar uma carta para o próximo jogador, dependendo do que você tiver na mão rola um desespero. É um jogo que você precisa estar atento a tudo ao mesmo tempo e quanto mais jogadores mais difícil isso fica, porém mais divertido. Apesar de ser possível jogar com mínimo de 2 jogadores, achei que é um jogo para jogar com galera, pelo menos uns 4 participantes.


Já está rolando o financiamento coletivo do Bifrost, é uma boa pedida para quem gosta de jogos no estilo, ótima opção para jogar com amigos "não-gamers". Outro ponto legal é que ficar puto porque perdeu só aumenta a vontade de jogar novamente, pelo menos comigo foi assim. Esse jogo em uma festa depois que a galera já está com o álcool circulando no sangue deve ser ainda melhor. O formato que está sendo utilizado na apresentação do jogo nos eventos não é o final, as cartas deverão ser no "padrão Munchkin". As artes das cartas de deuses estão legais, mas ainda faltam as das cartas de runa.

Mas, não é o meu tipo de jogo, apesar de eu ter me divertido bastante. Não sei se vou pegar, achei os valores pedidos no Catarse um pouco altos, o que até tem sua explicação devido a ser um jogo de produção pequena, e os adicionais não me despertaram o menor interesse. Porém, é uma questão de opinião e do bolso de cada um. Assista ao vídeo que gravamos e tire suas próprias conclusões.


Para fechar o dia, o excelente Room-25, um dos meus jogos favoritos. Tenho que fazer um post completão dele aqui no blog. E ainda rolou mesão de The Resistance.


Agradecemos a presença de todos, tivemos várias carinhas novas, o que sempre deixa a gente feliz. Espero poder rever a todos no Especial Conclave Editora no mês que vem para fechar bem o ano. Eles são os caras que estão trazendo o badalado Dominion ao Brasil, jogo super bem colocado no rank do BGG. Além de já terem lançado o excelente nacional Midgard e o party game Nosferatu, que também é sucesso com a galera.